domingo, 8 de julho de 2007

8º Corte ( - “Mas que cara mais estranho”, pensou Áhlima. - )

Algo do tálamo[1], no interior fresco de seu crânio atraia a curiosidade para aquele rapaz. Não era seu tipo físico ( detestava garotos pequenos ), nem a cor dos seus olhos ( preferia verde a castanhos ) e muito menos o seu jeito de falar e andar, “que cara de fracassado!”.

De início, Áhlima foi tomada pelo impulso de levantar, andar até o fundo da sala e confabular até cansar com o magro rapaz. Ela era capaz disso, sem dúvida, mas a idéia de ceder a um mero impulso a enojava. Uma palavra apenas: orgulho. Nem boa nem ruim. Apenas mais uma palavra.

Contudo, aquele impulso não parava a escalada no seu estômago, subindo, alisando os vasos sangüíneos da garganta, chegando à boca como uma vontade de gritar. Seus desejos sempre se comportavam dessa maneira. Às vezes era impossível controlá-los...

Mordiscou o lábio inferior num hábito que nunca abandonava, a vontade de levantar era mais forte, tocava-a mais intimamente que qualquer faca de cozinha. Parecia que ia sangrar. Tencionou ir por um momento.

“Não. Não posso ir. Eu tô ficando doente de novo. Primeiro aquele sonho estranho e agora isso! Acho que minha mãe tem razão. Eu sou uma maluca por ficar imaginando essas coisas!”. Áhlima sorvia pensamentos conflitantes, cheios de contrastes e irresistíveis... “AH! Quer saber de uma coisa: Dane-se!”

A garota se levantou rápido, de forma que seus seios balançaram languidamente.

“Eu vou lá ver quem é esse idiota.”

X X X



O sinal disparou de repente, espalhando seus berros pelos corredores da escola. Todos levantaram ao mesmo tempo.

O rapaz veio em sua direção, mas sem intenção visível de falar com ela.

Áhlima ficou esperando ele se aproximar, se aproximar, se aproximar, mais um pouquinho e... E passar direto indo para fora da sala.

"Prova substancial de que sou uma idiota."

Ele se misturou com o mar quente de corpos de alunos secundários, ela o seguiu.




[1] Região do cérebro responsável pela curiosidade.

8 comentários:

The Empress of Passion disse...

Ficou bom. um pouco sem ritmo... Tenta imprimir urgência na cadência das palavras... é um recurso complicado, nem td mundo consegue usar (muito menos eu rss), mas faria grande diferença na narrativa.
Esse capitulo era mesmo pra aguçar curiosidade?! pq ele nao acrescentou muito a historia a primeira vista... ou sera q existe um recurso subjetivo q eu nao percebi?!

jonatas disse...

Pretendo fazer uma história de extenção média, por isso não estou preso a tensões. E outra coisa, eu levo em média dez minutos pra criar um texto desse tamanho porque estou me concentrando mais em outros trabalhos.

Quando puder eu reviso mais a história, mas se eu usar certos recursos sempre, até o de urgência em cadêcia, não faria sentido meu objetivo real na criação nesta história. E acredite, se me pagassem pra isso eu faria vocês virarem os olhos... ehehehe.

Pelos capítulos serem breves você acaba tendo essa impressão de falta de acréscimo a história, só são seqüências de uma cena. Mas vou melhorar isso.

Rosana disse...

Bem na verdade só vou comentar pra alegrar seu dia e vc parar de me perturbar... brincadeira vc sabe q adoro ler o q escreve, essa história tá interessante, o fato de escreve-la em capítulos é ótimo pra aguçar a curiosidade. Uma coisa q sempre percebo é q vc sempre mistura uma linguagem mais rebuscada aos seus textos, cuidado com isso, mas como eu não entendo porcaria nenhuma disso, apenas gosto de ler... Qdo vem o próximo capítulo?!?

Bruno,Idiota Master disse...

APLAUSOS,APLAUSOS E APLAUSOS.
Sem muita violencia nos prendeu a atenção e mostrando algo que já aconteceu muito com nosco.
Mas não acrescentou algo a história
apenas o interesse pelo garoto que ela demonstrou ter.
Mas não importa,está muito bom
tenho o prazer de ler essa merda,e fico feliz a ver seu trabalho,parabens miguxo!

Rto.® disse...

Cara tá foda como a maioria das coisas que você escreve, um dia eu vou chegar a ser assim.
Deus continue iluminando sua mente cara. -----------------------------------

Bruno,Idiota Master disse...

Não se preocupe,sou bem ignorante no assunto,só expresso o que eu acho =).

Leve mais em conta a parte que eu elogio,o importante é que eu estou gostando da história em si,e continuando do jeito que foi a história até agora,é nota 1.000

Carlos Danie da Costa disse...

Amigo jonatas,

Tenho muito prazer de acompanhar seu desenvolvimento literário nos últimos 7 anos. Um bom tempo, concorda? Sou fã de seus trabalhos e inclusive inicamos um projeto: pesadelos & sonhos, lembra? Mas é assim mesmo...Estou disposto a ajudar-lhe novamente, aceita?

Com relação ao texto, não quero palpitar, pois já conheço seu estilo. Pena não ser um estilo literário comercial, mas pode ter certeza que pequenas editoras alternativas podem publicar seus contos. Acredite meu amigo, ainda é possível viver disso!

Uma crítica aos comentários que lhe fazem: Não estao encarando os capítulos como textos que se interligam. Querem que todo capítulo faça algo suspensioso??? Ora, lembrem-se que ele já não está mais no primeiro parágrafo. Lá ele têm a responsabilidade de atrair a mente dos leitores e hipnotiza-los para uma leitura viciante do blogger. Prestem atenção; Os personagens estão sendo desvendados, ele está mostrando a visão dos pensamentos dos mesmos.

Amigo uma dica, prolenge os capítulos e diminua o tamanho da fonte. Se quiser posso revisar os textos. continue!

Abraço!

Peri disse...

A maioria das pessoas no Brasil deve ter lido uns dois livros na vida e não me deixo surpreender por certos comentários. Eu sei bem identificar quando um cara que sabe das coisas.

Sobre o tamanho da fonte, eu mesmo quendo vejo um monte de coisas escritas num site com, por exemplo, esse tamanho de fonte, nem leio sempre de tanta informação. Pelo mesmo motivo evito prolongar os capítulos. Há livros que seus capítulos não passam de uma oração. Mas vou pensar seriamente no assunto. Muito obrigado mais uma vez, rapaz e até o próximo Corte.