segunda-feira, 2 de julho de 2007

7º Corte ( - Foi naquela tarde que encarei Áhlima pela primeira vez. - )

Os olhos dela, por alguns instantes, pareceram com os da minha mãe. É claro que é uma afirmação tola, porque eu nem mesmo chegara a conhecer mamãe, mas de alguma forma aqueles olhos profundamente negros escondiam uma discreta essência de maternidade. Ou talvez fosse só impressão minha devido à fragilidade condicional do meu próprio cérebro... Não importava.

Eu sei apenas que me senti confuso ao vê-la sentada displicentemente naquela cadeira velha de escola. Para minha surpresa, ela também olhava para mim, numa reciprocidade afável para o meu ego. Em nenhum instante pensei que a causa de Áhlima me encarar intermitentemente era a enorme cicatriz do lado esquerdo de meu rosto (prova de minha notória atração por brigas violentas).

XXX

Entrei na sala e cumprimentei a professora de literatura. “Bom dia, senhora.” A estranha mulher nem ao menos levantou a cabeça de sua leitura para me cumprimentar. Meus instintos diziam que de alguma forma ela sentia medo de mim.

Instalei-me então no fundo daquela sala abafada, repleta de indivíduos detestáveis (e alguns provavelmente armados...).

Nunca conseguiria sentar ao lado de Áhlima em primeiro instante. Puxar uma conversa. Sempre fui deveras inibido para qualquer atitude em relação ao sexo oposto. Também nunca soube o porquê, nunca me questionei ou refleti sobre o assunto. Agora ela estava lá, bem lá na frente. No início vazio da sala. Envolta de poeira cancerígena de giz e comportando a própria languidez em seus seios.

“Mas que garota linda é essa”, pensei.

11 comentários:

The Empress of Passion disse...

Muito bom! narrativa subiu de nivel, foco oscilante e continuo. cortes bem vindo e descritivos. leve e intenso.
Melhorou muito! ^^

http://ghoticpassion.blogspot.com/

Antonio disse...

d+ isso kra!!!!eu me lembrei da minha 6º serie, quando a escola era perto de um morro, eu tinha 12 anos, e metade da turma tinha de 17 pra cima (sem mencionar o fato dos delinquentes)

Bruno disse...

Melhorou,deu um Impacto e avançou na história,isso é bom,por quê o encontro deles foi alimentado desde o 3° Corte,onde vimos
que ambos sofrem de uma talvez solidão e ódio interno.

Tá muito legal sim,parabéns.
e como o Antonio,eu também tive
uma certa lembrança,só que na minha
turma o pessoal era mais para levar
Alguns tipos de drogas leves e cigarros,eu ainda tinha chance com
meus punhos sem ter medo,graças a Deus.

Peri disse...

Na verdade tentei utilizar uma linguagem mais agradável para vocês se identificarem nesses últimos capítulos. Mas o negócio vai tomar um rumo mais sobrenatural de agora em diante... aguardem, seus miseráveis...

Anônimo disse...

Ela era a narradora e agora é"Você"? foi isso mesmo? tá ficando legal!


By:Byel! (XD)

vanessa disse...

vixiii...visu novo por aki..ficou fodastico!!!!!
e a hidtória ta cada vez mais intrigante..na espera do proximo corte!
fui

Peri disse...

http://ghoticpassion.blogspot.com/
visitem o site que é super legal.

Só queria saber quem é esse infeliz anônimo... e no primeiro corte é um personagem depois no segundo já é uma personagem feminina, Áhlima no caso. Até deixei no fim do primeniro corte o nome Jonas especificando quem era a personagem. Agradeço muitíssimo pelo comentário.

Agora eu vi... by: Byel... seu viadinho!

Peri disse...

Vanessinha, vou sempre tentar mudar pra melhor e tudp isso é por vocês mesmo... valeu criança! rsrsrsrsrs

iradosanjos disse...

Tava gostando mais da história quando a Ahlima estava multilando os outros, mas sei q vc esta experimentando diferentes tipos de narrativa então ta perdoado, e novela q da dinheiro então vc tem saber fazer isso tambem (risos). A mudança do foco é efeito que interessante (da pra saber q eu adoro isso pelo tipo de livro e filme q eu leio e vejo, mas tudo bem). Gostei muito do detalhe "poeira cancerígena de giz" sempre achei muito ironico o fato daqueles que deveria passar conhecimento e teoricos detentores, desconhecerem, não acreditarem ou ignorarem o fato que ao lecinarem estão destruindo os proprios pulmões, e quando fazem greve em vez de se preocuparem com melhor condições de trabalho se preocupam mais com seu misero reajuste de salário. E quando a pessoa se acustuma com tiroteio ela nem escuta só se tiver muito perto ou alguem chamar a atenção pro barulho. Bom, to com a impressão de q esqueci, se eu lembrar depois eu falo, meu comentaria ta enorme espero q compense os outros q não escrevi (risos).

iradosanjos disse...

Ah!!! Lembrei muda a letra do texto inicial q a sua amiga, quase cega, não consegue ler.
ps: conheço esse desenho de algum lugar (risos)

Bruno disse...

Eu sinceramente,não presto atenção na narrativa,levando em consideração que o linguajar e o estilo não foi muito alterado.
Pode ter ficado mais leve.
Porém ainda tem todo toque Jonatas de ser.