terça-feira, 12 de janeiro de 2010

23º Corte ( - Lá fora, há guerra - )

Há um quilômetro dali, crianças brincavam nos fundos de uma casa abandonada com seus pequenos revólveres, atirando intermitentemente no corpo de um cachorro morto pendurado no umbral da porta. Se você parasse para prestar a atenção ouviria o estampido seco dos tiros que perfuravam o cadáver. E se não parasse para prestar a atenção, ouviria mesmo assim.
A popularidade do tiro ao alvo crescera depois que os adultos começaram a não voltar da Guerra. Tiro ao alvo e crianças armadas. A Lei permitia armas para maiores de vinte e um anos. Contudo, não havia mais tantos adultos para comprar armas de menor calibre. Aos emancipados era vetada a venda, mas com o fenecimento do mercado interno, a necessidade de comercialização nos estados e o aumento da demanda e produção, armas começaram a aparecer nas mãos dos mais novos.



A maioria das mães e pais haviam ido à Guerra. Era assim que tinha de ser, ali e por todas as cidades do país. Enquanto os pais lutavam, os filhos eram emancipados e deixados para trás. A Lei guardava os filhos durante A Guerra. A Lei dizia que os mais velhos, não tão velhos, cuidariam dos filhos mais novos enquanto os pais lutavam, se fossem capazes. Mas onde já se viu palavras escritas no papel protegerem alguém?
A Guerra era importante. Preservaria o futuro dos filhos da nação, diziam os cartazes espalhados nas ruas e as promoções do governo. Contudo, o tempo passava, os filhos cresciam e atendiam ao chamado da Guerra ao completarem vinte e três anos, também deixando seus próprios filhos e irmãos para trás. Pais deficientes ficavam na cidade e normalmente eram obrigados a adotar crianças pela Lei.



Ninguém ousava viajar além da fronteira devastada, onde as tropas inimigas marchavam sobre as cidades moídas por bombas, mais ou menos a mil e duzentos quilômetros, seguindo na direção noroeste da capital. Ninguém voltava. Não vivo. Os vagões dos trens atravessavam limites da cidade recheados de corpos contaminados que diziam ser de vítimas da Guerra. Diziam que eram levados ao crematório para serem incinerados e postos em urnas no cemitério que ficava nas zonas subterrâneas da cidade.
No início da Guerra os filhos recebiam regularmente cartas de seus pais, aspergindo o cheiro úmido da esperança entre as linhas escritas. Mas ao passar das décadas, por motivos recônditos nessa história, não eram mais trocadas tantas correspondências. Perdera-se o costume, ambas as partes. Ninguém se importava. Passaram-se duas gerações, a primeira animada com a possibilidade de lutar pelos ideais bordados na bandeira, e a segunda, educada por programas diários de TV, afastados dos pais pela distância da Guerra.
Foi de repente. Os jovens começaram a se dividir em grupos, sem motivos aparentes. Em algum ponto não exato da história os filhos deixados para trás começaram a se defender de perigos inexistentes, cada vez mais hostis, tornando-se assim vítimas de suas próprias mãos.



Diziam que A Guerra surgira através de disputas por territórios, físicos, comerciais ou espirituais. Ainda tinham aqueles que sugeriam que A Guerra viera desde a sua invenção, logo quando o homem decidiu que assim fosse. Empunharam armas, da pedra ao aço, e seguiram para sempre à única direção que o tempo apontava. Assim seria até o fim. Até o dia em que não restasse homem ou alma para pisar a terra. Talvez fosse verdade, mas era certo que a Guerra teve seu início bem antes que o mundo começasse a acabar.
Ademais, já era a terceira geração que combatia na Guerra. Não se sabia mais exatamente quanto tempo havia se passado desde seu principio e menos ainda se sabia o que a motivara.
As pessoas eram assim agora. Viviam para lá e para cá. Poderiam viver até os vinte e três anos como civis. Depois disso, lhe vinham buscar em um veículo do exército para certamente morrer na Guerra. A morte parecia ter algo a ver com armas radioativas ou químicas.
Aqueles que desertavam, não desertavam. Eles sumiam.
Existia uma cidade na costa que era rica. Paraíso do consumo. Todos queriam ir para lá porque, se fizesse dinheiro o suficiente, podia evitar a Guerra. Mas isso foi antes do mundo começar a acabar e o mar engolir as primeiras construções de concreto e metal.

11 comentários:

D. X. Bettecher disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
D. X. Bettecher disse...

Um dos melhores textos do Carne Humana é o 23º Corte.
Vinte e três anos, vinte e três cortes na alma literária...
Lá fora, há guerra.
Aqui dentro, AINDA HÁ GUERRA!

Bruno,Idiota Master disse...

Isso tá genial demais , você chuta a história na nossa cara , eu sinto as linhas de porrada no seu texto , brutalmente suave e lindo.

Já atingiu a perfeição , mas não se contente com ela.

O Bardo disse...

Fantástico, ler o Carne Humana é como ler um pequeno pedaço de papel que você vai desdobrando e ele vai crescendo e ficando mais completo. Você partiu de um simples fato da vida de um homem até a vida de toda uma nação. A medida que a narrativa se abre, se aprimora cada vez mais.

Edgard disse...

Melhorando muito hein! Cada vez interessando mais, nos dixando havidos pelo próximo corte, que não vai tratar do mesmo assunto.

Peri disse...

Pois é pessoal, a frase "Muchos años despues, frente al peloton de fusilamiento..." me fez pensar muito nos acordes dissonantes da orquestra da guerra. É já estava mais que na hora de explicar um pouco mais do cenário de carne humana. Na verdade não sei exatamente onde isso vai nos levar, se será para longe ou para mais perto de nós mesmos, mas é certo que essa história nos levará para algum lugar.

Adorei que vocês tenham notado os pormenores que foram tecendo a história e ainda mais por esperarem sempre algo melhor do que virá sem tanta redundância a seguir.

Prometo não os decepcionar nesse quesito, mesmo porque não se pode esperar muita coisa quando o mundo começa a acabar...

Npires disse...

Cara, muito bom mesmo, um dos melhores textos sobre guerra que já li.

Peri disse...

Valeu mesmo amigão. Estou aprontando o próximo capítulo na cabeça, parte dele feito enquanto tiro os vermes da pata do meu cachorro ou quando como doce de maracujá...

Peri disse...

tenho relido todos os capítulos e chegado a conclusão que vou ter que melhorar MUITO ainda...rs

Anônimo disse...

zfufwnyj [url=http://www.longchampoutletsttaschen.info/]longchamp outlet[/url] tjuwdpik dbnpgv gvrquf [url=http://sbac.org/de/monclereaby.aspx]moncler online shop[/url] lszerf [url=http://www.longchampoutletsttaschen.info/]www.longchampoutletsttaschen.info[/url] jztvbs [url=http://www.monclerjackennoutlets.info/]moncler jacken[/url] kmmueoia [url=http://www.longchampoutletsttaschen.info/]longchamp le pliage[/url] qcouuv [url=http://sbac.org/ralphlaureneaby.aspx]polo ralph lauren[/url] jsoiqe symzful ngrovjmuv

Anônimo disse...

Hello. And Bye.